2011/06/21

O homem da perna de pau

(Nota introdutória: antes de prosseguir leia "Noites quentes", um post anterior, deste blog.)

----------------------------------




Lembro-me, quando era miúdo, quando vivia com os meus avós no bairro dos pescadores, do homem da perna de pau.

Era um homem velho, de cabelo cinzento e barba farta, encaracolada como ondas numa tempestade.

Lembro-me que sempre que o via imaginava que aquele homem era um pirata de alto mar, com muitas histórias para contar.

Como os meus avós me contavam muitas histórias eu pensava que era natural que os mais velhos contassem histórias e por isso, sempre que estava próximo do homem da perna de pau, procurava que me contasse alguma coisa.

Procurava que me contasse alguma história como a perseguição de uma baleia feroz ou o ataque de um polvo gigante que revirava facilmente pequenos botes no ar ou o avistar de um navio fantasma ou o doce convívio com sereias e o seu belo canto.

Procurava que me contasse alguma coisa sobre algum dos seus naufrágios, da sua longa vida de marinheiro, da sua doença de alto mar que lhe levou a perna ou remoinhos medonhos que engoliam navios inteiros ou ondas enormes que derrubam embarcações com os seus encontrões portentosos.

Procurava que me contasse alguma coisa mas, na realidade, nunca me contou nada.

Limitava-se a olhar para mim, com os seus olhos cinzentos, da cor do mar num dia sem sol.

E eu insistia e perguntava-lhe:

- Então e as sereias? Os polvos? E as baleias?

E insistia:

- E os trovões? Os relâmpagos? Os tubarões? E as misteriosas ilhas e as suas maravilhas?

E ele olhava para mim e nada. Nunca nada. Nunca uma palavra para mim.

Eu inventava situações, episódios, histórias inteiras que pudessem servir de rastilho para que o pirata de alto mar começasse a contar as suas histórias.

Mas nada.

Às vezes pensava que o homem da perna de pau não achava nada do que eu dizia interessante.

Às vezes pensava que nenhum daqueles rastilhos era interessante o suficiente para que ele quisesse contar as suas histórias e isso fazia com que eu fantasiasse ainda mais sobre o deslumbre que seriam as suas histórias, e isso fazia-me imaginar outras histórias para lhe contar para tentar mais uma vez que ele contasse alguma coisa e...

Caramba, que histórias seriam aquelas que ele tinha para contar?

Mas nada, nunca nada.

Alguns anos depois de o homem da perna de pau morrer, a minha avó contou-me que ele estivera preso a maior parte da sua vida e que fora na prisão que perdera a perna.

Quando a minha avó me contou isso, compreendi então o que o homem da perna de pau me disse ao ouvido, no seu leito de morte, com uma lágrima salgada - do mar que afinal ele nunca navegou - a escorrer em ziguezague pelos vincos das rugas da sua face:

- Obrigado pelas tuas histórias!



António, in "Memórias Inventadas"

4 comments:

sfaia said...

que viagem de conto António! obrigada! muito!

contabandistas de estórias said...

Que bela história, António! Com que então era essa a história da perna de pau... Boa!

Andante said...

É maravilhosa, obrigada.
Beijos
Cristina

Ana Arnold Guerreiro said...

Que lindo!
Obrigada pela vida nova que deste ao pobre homem.
Bjs*